27 de julho de 2017

O que você REALMENTE precisa para ser um escritor?


J
á ouvi isto muitas vezes, de diversos escritores: "Todo mundo pode ser escritor".
Eu mesmo acredito nisso, em uma certa medida.
Todos já experimentamos o prazer de contar histórias que empolgam quem está em volta, sejam momentos interessantes por que passamos ou que presenciamos, histórias inventadas, piadas ou mesmo sucessos ou insucessos no trabalho.
Viver é contar histórias, é assim que as tradições sempre foram perpetuadas e o conhecimento passado entre gerações, desde antes de a língua escrita ser inventada.
Sim, todos contamos histórias.
Todos temos a capacidade, em um maior ou menor grau, de escrever contos e histórias curtas. Esta capacidade, como qualquer outra, pode ser melhorada com treino.
Acredito que qualquer um que deseja ser escritor precisa começar pela escrita de contos ou crônicas.
Este exercício ajuda a aprender a dominar as técnicas narrativas básicas, a começar a entender o que funciona e o que não funciona quando convertendo uma história da voz para o papel.
Afinal, ninguém aprende a andar sem antes engatinhar e se segurar nos móveis.
Todos somos escritores. Só que uns escrevem, outros não.
José Saramago, único escritor da língua portuguesa a ganhar um Nobel de Literatura
Como falei, acredito que todos temos a capacidade de escrever histórias. Mas... e quanto a fazer carreira como escritor?
Trabalhar como escritor demanda mais do que escrever uma história curtas: demanda escrever continuamente, escrever múltiplas histórias curtas ou longas, investir um tempo do dia, todos os dias, em sua carreira.
Eu adoro desenhar. Até acredito que faço alguns desenhos muito bons, no nível de alguns artistas gráficos. Mas não me vejo, nesta vida, aceitando que mereço o título de artista visual.
Da mesma forma, acredito que todo aquele que deseja ser um escritor precisa ter, no mínimo, três "características essenciais":

  • Ser um leitor: É através da leitura que apreendemos os mecanismos básicos da arte de contar histórias. Há excelentes escritores que nunca leram um livro sobre técnicas de escrita, mas não conheço nenhum escritor que não tenha sido, em algum momento da vida, um leitor voraz. Já li, sim, livros de autores cuja base é a cultura pop dos quadrinhos e televisões, e devo dizer: não funcionam. Não é preconceito contra o tema: ADORO cultura pop. Mas escrever um livro sobre o super-homem é diferente de escrever um roteiro de quadrinhos, que é diferente de escrever um roteiro de filme, que é diferente de escrever um roteiro de uma série de TV. Cada formato tem suas regras próprias, e o escritor precisa saber transitar em todos aqueles em que quiser trabalhar.
  • Vontade, ou melhor, Ansiedade para escrever. A vontade é algo passageiro, que vem e vai; a
    Civilizações, de Wallace Horta

    ansiedade é algo que não lhe deixa, que mesmo quando você não está pensando, ela está lá, em seu subconsciente. Quem já se apaixonou sabe exatamente do que estou falando! Para testar esta característica, tente (ou imagine) ficar um mês sem escrever nada, sem levar seu projeto de produzir um livro para frente. Se o pensamento não te incomodar muito, então provavelmente você tem outras prioridades, e escrever um livro provavelmente é um projeto entre muitos, não uma carreira a ser seguida.
  • Persistência: Já conheci e aconselhei muitas pessoas que procuram apoio para escrever um livro, mas pouquíssimos são aqueles que efetivamente levam seu projeto até o fim. Vale, inclusive, o destaque para o colega escritor Wallace Horta, que recentemente lançou o livro "Civilizações". O Wallace é a mais recente exceção à regra que derruba a maioria dos candidatos a escritores: A de que não adianta ter vontade e sonhar, é obrigatório trabalhar duro para escrever um livro. Se você acha que não está pronto dedicar meses (quiçá anos...) de sua vida trabalhando e revisando um livro, burilando a sua joia até o máximo de sua capacidade, então provavelmente sua arte é outra.
  • Eu sei que falei que ia parar em três, mas acredito que há mais uma característica essencial: Humildade. Parece até engraçado de falar, porque os escritores (como a classe artística em geral...) têm a fama de ter um ego gigante. Ok, é tão difícil escrever e publicar um livro, e ainda mais fazer com que ele chegue aos possíveis leitores, que é realmente necessário ter um ego imenso para acreditar que você está à altura da tarefa. Mas nada desagrada mais os leitores do que ler (ou conhecer) um escritor que transparece um ar de superioridade, que tem um ar de "sou muito importante". E se isso não bastar, a humildade é ainda mais importante no início de carreira, para aceitar críticas construtivas e utilizá-las para melhorar seu trabalho, ao invés de pensar (como muitos o fazem...) "na minha arte ninguém mexe", como se cada palavra que escrevesse fosse a expressão da perfeição. A humildade é, provavelmente, a característica mais difícil das três, pois depende de mudarmos algo inerente a todos : Quando criticam algo que fizemos, sentimos que a crítica é para nós, e automaticamente passamos a nos defender, ao invés de avaliar objetivamente o que foi falado.
Então... Todos, sim, temos o potencial de escrever histórias.
Mas nem todos foram talhados para serem escritores.
Nada mais óbvio: As pessoas são iguais para a dor, mas são distintas para o prazer. O que faz o coração de cada um bater mais rápido é único e pessoal. Há quem ame escrever, há quem ame cozinhar, há quem ame organizar, há quem ame dedicar-se a outros...

Descubra o que você realmente ama, e invista nisso como profissão, ou dentro de sua profissão, ou em seu tempo livre. Não interessa quando nem onde, mas não deixe de investir nisso, pois nada fere mais uma alma criativa do que lhe ser negado a capacidade de se expressar.

E se você ama escrever... Não precisa de regras: você já é um escritor! Desbrave seus caminhos, e se precisar de ajuda, já sabe onde procurar!

E você, o que acha que é necessário para ser um escritor? Comente e compartilhe!

E não esqueça que você encontra este e muitos outros assunto em 'A Bíblia do Escritor, em versão impressa ou
para ler em seu Kindle



Gostou? este post!

5 de julho de 2017

Pontos de Virada: O que são e como utilizar

A
Acredito que tudo aquilo que fazemos conscientemente acaba sendo mais bem trabalhado do que aquilo que fazemos sem perceber.
O mesmo se dá, é claro, ao escrevermos um livro: se você conhece as técnicas e sabe como e porque utilizá-las, poderá explorá-las melhor.
Pontos de virada são elementos simples da trama, tão simples que parecem ser algo "óbvio" - e, no entanto, há muitos autores que simplesmente não pensam neles, e acabam por não aproveitar ao máximo seu potencial como escritores por conta disso.
Pontos de virada são aqueles momentos na narrativa em que a trama "muda de direção", quando o objetivo do protagonista muda ou começa a mudar. Por exemplo, em uma filme de terror, é o momento em que a vítima decide que, para se salvar, a única forma é deixar de fugir e passar a atacar.
O ponto de virada pode ser algo bem marcado, como uma explosão que mata um personagem, ou sutil como uma breve troca de olhares que mexe com as certezas do protagonista.
Em seu “Poética”, Aristóteles já sugeria uma trama dividia em três atos e com um ponto de virada central
A ideia não é novidade: Três séculos antes da era Cristã Aristóteles já propunha uma trama onde as complicações cresciam até um ponto central, quando o personagem adotava uma postura mais ativa e passava a resolvê-las uma a uma até o fim.
Atualmente, boa parte dos filmes de Hollywood utilizam uma trama com 5 pontos de virada:
  • 1º ponto de virada - Indicação da ruptura: Algo interrompe a rotina, oferecendo ao protagonista a chance de uma grande aventura. Esta aventura poderá ser algo físico, ou simplesmente uma mudança de comportamento.
  • 2º ponto de virada - Obrigação se seguir em frente: O que era apenas uma possibilidade de mudança, agora se torna inevitável. Neste ponto de virada ocorre algo (uma decisão, ou algo físico) que faz com que o personagem finalmente saia de sua zona de conforto e enfrente a mudança.
  • 3º ponto de virada – Todas as pontes estão queimadas: Até este momento, o protagonista ainda via a chance de retornar à rotina anterior com um mínimo de mudanças; mas neste ponto algo ocorre que fica claro que não há como tomar outro caminho: ele precisa seguir até o fim para conseguir resolver a mudança que ocorreu em sua rotina.
  • 4º ponto de virada – Complicações chegam ao extremo: Neste ponto, tudo parece ir contra o protagonista, e não é possível ver nenhuma solução viável para os problemas. Neste momento o protagonista sai de uma posição passiva, de sofrer com os problemas conforme aparecem, para uma posição ativa, de buscar proativamente soluções.
  • 5º ponto de virada – Clímax e resolução: É quando a história chega ao clímax e o problema trazido pela mudança se resolve – de uma forma ou de outra!
Este modelo de trama, ainda que seja bastante flexível e permita escrever desde comédias românticas até thriller de ação desenfreada, está longe de ser consenso.
Em boa parte dos filmes europeus, usualmente mais centrados em personagens, o que vemos é uma estrutura simplificada, com dois pontos de virada: 
  • 1º ponto de virada - Ruptura da rotina : Ponto em que a rotina do personagem é abalada por algum acontecimento qualquer, que inicia uma série de mudanças em sua vida.
  • 2º ponto de virada - Conclusão do aprendizado : Ponto em que as mudanças provocadas pelo ponto 1 se concluem, deixando o personagem com a escolha de (tentar) retornar à sua rotina anterior ou assumir uma nova posição frente à vida.
O conceito em si é bastante simples, e TODA história precisa ter pelo menos um ponto de virada - afinal, ainda que possam haver exceções, uma história é sobre "algo que aconteceu", e não uma mera descrição da rotina de um personagem.
O "pulo do gato", neste caso, é pensar os pontos de virada da trama ANTES de começar a escrever qualquer coisa.
Se você já definiu a premissa estruturada (mesmo que seja centrada em personagens), já sabe o ponto de partida e, usualmente, o ponto final de sua trama.
Com os pontos de virada definidos, a história "se desenha" em sua mente, e você passa a ter uma visão bem melhor sobre por onde a trama irá passar, o que ajuda imensamente o processo de produção de sua obra.
É uma ideia simples, mas como todas (boas) ideias simples, extremamente útil!

Gostaria de escalrecer algo ou aprofundar algum ponto?
Comente e compartilhe com os colegas!

E não esqueça que você encontra este e muitos outros assunto em 

'A Bíblia do Escritor'

em versão impressa ou para ler em seu Kindle



Gostou? este post!